Doe Orgãos

Doar órgãos é um ato de amor e solidariedade

 

A carência de doadores de órgãos é ainda um grande obstáculo para a efetivação de transplantes no Brasil. Mesmo nos casos em que o órgão pode ser obtido de um doador vivo, a quantidade de transplantes é pequena diante da demanda de pacientes que esperam pela cirurgia. A falta de informação e o preconceito também acabam limitando o número de doações obtidas de pacientes com morte cerebral. Com a conscientização efetiva da população, o número de doações pode aumentar de forma significativa. Para muitos pacientes, o transplante de órgãos é a única forma de salvar suas vidas.

 

Lembre-se: "Quando um transplante é bem sucedido, uma vida é salva e com ele resgate-se também a saúde física e psicológica de toda a família envolvida com o paciente transplantado".

 

No Brasil, o Ministério da Saúde instituiu a Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) em todos os hospitais públicos, privados e filantrópicos com mais de 80 leitos.

No Hospital Tacchini, a CIHDOTT existe há 13 anos e, atualmente, conta com 18 profissionais que atuam diretamente nas ações que contribuem para a doação de órgãos e transplantes, tendo já realizado mais de 1110 captações de órgãos e mais 230 transplantes de córneas.

Todos os órgãos captados são distribuídos através da Central de Transplantes, em Porto Alegre, órgão que controla e regula a fila de espera no Estado. As córneas são encaminhadas ao Banco de Olhos do Hospital Geral, em Caxias do Sul e o tecido músculo esquelético vai para o Banco de Ossos do Hospital São Vicente de Paulo, em Passo Fundo.

 

Contato: A CIHDOTT atende no predio A do Hospital Tacchini, na sala ao lado da Capela. O horário é de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h. Telefone (54) 3455-4229 ou ramais 4229 ou 7107; e-mail:opozeni@tacchini.com.br